Os quatro elementos e os três ritmos





Os quatro elementos


Um dos principais conceitos-chave para a Astrologia são os Elementos. Os Elementos são os componentes básico da estrutura do Universo. Eles representam os estados de energia fundamentais da manifestação da vida. Os quatro elementos representam a base que estrutura todo o universo e estão, simbolicamente, de diferentes formas presentes em todas as coisas existentes. O próprio ser humano pode ser representado, na sua natureza completa, pelos quatro elementos.
Os quatro elementos estão organizados na natureza de vários formas. No ser humano podemos relacionar os quatro elementos com nossas quatro partes fundantes: O elemento Fogo representa nosso princípio de identidade, o espírito, este algo que nos individualiza e se manifesta em um corpo, o elemento Terra. O elemento Ar representa a razão como elemento de interligação intelectual e social entre as partes e por fim o elemento Água fala de nossos sentimentos, ou seja, do modo como percebemos e nos relacionamos com o meio pela via das emoções.
O ser humano completo é composto de Fogo (Espírito, identidade), Terra (corpo, matéria), Ar (mente, razão, lógica, inteligência) e Água (emoção, sentimento). Todos estes elementos organizados em diferentes proporções definem a natureza de cada ser humano. Fazendo um paralelo com o trabalho de Carl Jung, os quatro elementos estão representados nas quatro funções psicológicas dos ser humano.
Elemento fogo – função intuição      Elemento terra - função percepção
Elemento ar – função pensamento   Elemento água – função sentimento
Todos os conceitos da Astrologia derivam, primordialmente, da combinação entre os quatro elementos e os três ritmos da natureza. A astrologia costuma representar o universo em termos dos quatro elementos básicos. Tradicionalmente, o Fogo, a Terra, o Ar e a Água são os elementos sobre os quais se fundamenta toda a filosofia antiga. Quando falamos de astrologia e filosofia antiga, e das relações destas com os quatro elementos não devemos pensar neste conjunto como coisas dissociadas do mundo do qual fazemos parte, muito pelo contrário, quando descrevemos as características dos elementos na astrologia notamos que estes têm as mesmas qualidades que tais elementos no mundo natural.
Falarei pormenorizadamente sobre cada um dos elementos mais adiante, agora, quero apenas adiantar uma forma alegórica de relacionar os elementos com as diferentes dimensões do ser humano. Dentre os quatro elementos, temos dois, a Água e o Ar que servem como elementos de orientação. Ajudam-nos a nos orientar no meio e contribuem para as nossas tomadas de decisão. Podemos tomar nossas decisões baseadas em fatores emocionais ou racionais.
Podemos gostar ou não gostar de algo e, baseados neste julgamento de ordem afetiva (Água) tomar uma decisão ou, pelo contrário, podemos avaliar racionalmente (Ar) a situação, compararmos tal situação com um quadro racional de referência já existente em nós e então tomarmos nossa decisão.
Decisão após decisão vamos fazendo coisas, construindo nossas realizações no plano material (terra). A natureza dessas construções e realizações não são o mais importante, pois estas podem ser das mais variadas naturezas. Podem ser concretas tais como construir um prédio, edificar uma empresa ou outro negócio, ou ainda, pode ser escrever um livro ou elaborar um teoria. Seja como for, o que importa é que através da nossa realização construindo no mundo algo que seja útil a este mundo e nos realize como seres humanos manifestamos nossa identidade (Fogo).
Antes de analisarmos os elementos astrológicos vamos observá-los na natureza para melhor entender a natureza dos signos de cada elemento.

O elemento Fogo na natureza.
De todos os elementos o fogo é o mais imaterial. O Fogo é o mais instável, o mais provisório. Na verdade o que observamos é somente a manifestação do fogo. Ele existe como resultado químico de algo que está sendo queimado e somente  enquanto há algo para ser queimado.  Da mesma maneira que não é possivel observar diretamente o espírito humano e somente sua manifestação que somente irá existir enquanto existir algo para a chama da vida queimar.
 Não podemos guardar o fogo, nem estocá-lo. Ele tem uma tendência natural para a expansão e necessita da presença de um comburente (o ar) e de um combustível (algo que possa ser queimado).
Uma imagem que imediatamente associamos ao fogo é a da luz. O fogo ilumina e serve como orientação na escuridão.A luz é sempre um elemento de união que tende a agregar os seres vivos em torno de si. Do mesmo modo a cosnciência é algo que pode vir aos poucos ou aos saltos, como espírito humano  que nos diferencia dos outros animais por nos ter tirado das trevas primordiais e nos levado à luz da cosnciência.

Fogo - identidade – Intuição
Signos de Fogo: Áries, Leão e Sagitário
Este elemento se expressa por atividade e energia e buscando o conhecimento e afirmação da identidade. É a própria energia flamejante com movimento e brilho constante atrai a atenção. É sempre individualizado (o fogo e não os fogos) e com o movimento voltado para cima em direção ao futuro.
O simbolismo do fogo indica uma necessidade básica de expansão, relacionada com a aceitação de desafios e a tomada de iniciativas. Estes signos, em sua manifestação mais completa, têm um forte conteúdo de autoconfiança, já que aqueles que os têm enfatizados sentem-se, de alguma forma, portadores (ou melhor, canais de expressão) dessa energia fundamental.
Assim como ocorre com a função superior intuição, a abordagem de mundo é feita com entusiasmo e confiança. O tipo fogo tende a ser espontâneo e autoconfiante. É automotivado por ser fortemente orientado em direção a si mesmo e às suas necessidades de realização pessoal e criativa.

O elemento Ar na Natureza.
O ar não tem limites. Não pode ser agarrado, não assume forma estável. Simboliza um estado de máxima liberdade, de movimento constante. Da mesma forma as idéias também são livres e a mente viaja para onde quiser e são o elemento de ligação e conecção que dão significado ao mundo como nós o conhecemos e, conecta todas as coisas aparentemente isoladas
O ar insufla o fogo, o fogo precisa de ar para tomar-se mais forte, assim como o espírito humano necessita do intelecto para se manifestar e transformar o plano material. O vento propaga os incêndios. Estes dois elementos têm ambos um movimento ascendente e expansivo, tendendo a ocupar o máximo espaço possível.
Quando comprimido, o ar pode tornar-se explosivo e causar estragos, assim como idéias e pensamentos não liberados podem tornar-se complexos psicológicos destrutivos. Como a liberdade é da natureza do ar, quanto mais reprimida, mais tende a reinstalar-se de forma violenta.
O ar toca tudo sem misturar-se a nada. O ar pode estar presente no fogo, insuflando-o; na água, formando bolhas; ou na terra, preenchendo cavidades. Mas, ao contrário da água, que sempre forma alguma liga, o ar preserva sua individualidade e, assim que é liberado, volta ao estado original.
Da mesma maneira as pessoas de ênfase no elemento Ar se conetam a tudo de uma forma impessoal e não vinculada.
O ar é sujeito a variações súbitas, dependendo do estímulo que recebe. O ar pode manifestar-se como brisa, como vento ou como furacão. A atmosfera pode ser extremamente fria ou tórrida. O ar recebe os estímulos e retransmite-­os, permitindo sua propagação.

Ar – pensamento – social/intelectual
Signos de Ar: Gêmeos, Libra e Aquário
É o elemento da comunicação, da ligação. É ele que conceitualiza, relaciona, idealiza e explica o Universo. Utilizado corretamente ele dá a capacidade da palavra, o poder criador, leve e fluído do pensamento. Utilizado em excesso origina dispersão, nervosismo mental e uma comunicação errática, vaga e descontrolada.
Está relacionado com a função pensamento, apresentando como característica dominante a capacidade para abstrair da realidade material os elementos necessários para a formação de juízos e estruturas mentais de compreensão do mundo. Neste sentido, os signos de ar têm muito a ver com os processos de planejamento, definição de estratégias, acumulação de conhecimento, formulação de conceitos e troca de informações. São signos de relação, onde o aspecto intelectual apresenta-se como dominante.

O elemento Água na Natureza
Ainda que fluida, a Água é o primeiro dos elementos que possui uma materialidade facilmente perceptível e que notadamente sofre a ação da gravidade.
A Água está diretamente relacionada com a fertilidade e à vida na Terra, sabe-se que a vida nasceu na Água e depois é que migrou para o meio terrestre e aéreo. Sem este elemento não haveria vida, o mundo seria estéril, do mesmo modo que os sentimentos e as emoções é que tornam a vida possível entre os seres humanos.
A água se amolda à forma do recipiente. Quando no estado liquido, a água não consegue preservar a forma, precisa de algo que a sustente e, quando o encontra, assume a forma do recipiente. Assim, o formato dos rios, lagos e oceanos guarda relação com a estrutura geológica dos terrenos que lhe dão sustentação (elemento Terra). Sabe-se que, psicológicamente falando, nossas características emocionais estão bastante relacionadas à nossa imagem corporal. Da mesma forma, a erosão hídrica cava sulcos na terra e modela bahias e falésias, em uma relação direta às nossas emoções que marcam nossas faces e determinam a saúde de nossos corpos.
Mas, dentre todas, a maior semelhança que noto entre o elemento Água na natureza e as características astrológicas do elemento Água (emoções e sentimentos) é que tanto em um rio ou mar quanto em nossas emoções, quanto mais fundo se vai, mais escuro fica e mais aumenta a pressão.

Água – Sentimento – sentimento
Signos de Água: Câncer, Escorpião e Peixes
Este é o Elemento da emotividade e sentimento. Ele amolece a rigidez da Terra, controla e regula o poder do Fogo e dá sentimento á comunicação do Ar. Utilizado de forma controla dá sensibilidade, intuição, empatia. Em excesso, origina sentimentalismo exagerado, pieguice, histeria emocional, descontrole e confusão.
Está relacionado com a função sentimento, o que lhes dá como característica dominante a capacidade de sintonizar com as necessidades emocionais mais profundas de si próprios e de outros. A sintonia com estas necessidades gera uma acuidade maior no que se refere á compreensão das vulnerabilidades humanas (empatia) e um profundo sentimento de proteção, que pode voltar-se sobre o próprio indivíduo (autoproteção) ou sobre os demais, gerando uma constante busca de segurança. A vida psíquica, tal como um oceano, tende a ser profunda e rica, com grande valorizarão da imaginarão, da fantasia e dos elementos do inconsciente.

O elemento Terra na Natureza
Dentre todos os elementos a terra é, sem dúvida, o mais material, mais concreto e estável.A terra serve de base para todos os seres vivos.
A terra assume formas estáveis. Ao contrário do fogo e do ar, que não têm forma definida, e da água, que precisa de um recipiente, a terra é a próprio recipiente. O fato de manter a forma (especialmente quando se apresenta como rocha) toma-a o elemento construtivo por definição. Assim, a habitação, o abrigo e a segurança sempre dependem da terra, que fornece elementos de construção e permite a definição de espaços e o estabelecimento de limites. A terra tem a máxima dureza, concentração e densidade.
Todos estes atributos relacionam a terra com a materialidade e com o suprimento das necessidades corporais básica: alimentação e segurança. No próprio corpo humano, a terra guarda analogia com o que há de mais estrutural, que é o sistema ósseo, o esqueleto, princípio organizador da forma.
É com referência à terra que se constrói o senso de valor. As noções de bem e de propriedade foram elaboradas com referência à terra. A posse da terra e de bens materiais e palpáveis constituiu a noção inicial de riqueza e ajudou a criar distinções que diferenciaram a sociedade em classes. A terra está em analogia direta com o conceito de valor (Touro), com os métodos empregados para obter riquezas (Virgem, o trabalho) e com a organização social daí decorrente (Capricórnio, a estrutura).
A relação com a terra é física, sensorial, e comumente exige esforço e existe uma associação com processos corporais (o toque, o cheiro, o suor). A terra nos recorda nossa natureza instintiva, animal.

Terra – percepção – matéria
Signos de Terra: Touro, Virgem e Capricórnio
Este é o elemento mais concreto de todos, fala da tomada de forma, da densidade e peso. É ele que dá estrutura concreta a todas as coisas, confere solidez e substância. Também organiza a manifestação da matéria.
Para os indivíduos deste elemento a percepção direta e imediata da realidade a partir dos sentidos é a principal forma de orientar-se no mundo. Corpo, dinheiro, trabalho, prazeres, bens, valores e tudo o que representa o reino da matéria é a sua medida para as coisas.
Está relacionado com a função Sensação, ou seja, manifestam a capacidade de sintonizar com a realidade material e agir de maneira concreta sobre o mundo circundante. O senso prático, portanto, encontra-se relacionado a estes signos, da mesma forma como as atividades produtivas, em geral: os métodos de trabalho, a relação com a tema, a organizarão administrativa. Os signos de Terra propiciam também uma maior sintonia com as necessidades do corpo, de forma que há uma grande necessidade de segurança e autoproteção, se bem que de natureza ligeiramente diversa daquela que motiva os signos de água.




________ § ________ § ________ § ________ § ________ §________



Os ritmos ou Qualidades

Em Astrologia existem três estados possíveis para cada Elemento: Cardeal, Fixo e Mutável. Estes estados caracterizam o tipo de ação ou "movimento" que o elemento apresenta. Cada um dos signos resulta, portanto, da combinação entre um Elemento (Fogo, Terra, Ar ou Água) e um Ritmo (Cardeal, Fixo ou Mutável).
Estes três ritmos de movimento representam as três qualidades da matéria segundo a metafísica: Rajas - Atividade, Tamas - Inércia, Sattva - Equilíbrio.
Representam as três fases da energia: o impulso inicial (Cardeal), a estabilização e concentração (Fixo) e a transformação e adaptabilidade (Mutável).
Os três ritmos, provavelmente, nasceram da relação com as estações do ano: ele representam o princípio, meio e fim de uma seqüência sazonal. Cada uma das quatro estações (Primavera, Verão, Outono e Inverno) divide-se em três tempos, ou melhor, em três signos.
O primeiro signo é sempre Cardeal, pois representa o impulso inicial que começa a estação, o momento no qual a estação se manifesta suas características com todo o vigor.
O signo seguinte representa a fase do meio da estação e é aquele que melhor a representa, pois durante este período as características que definem a estação permanecem constantes (fixas) temos então um signo Fixo.
O último momento é o de transição entre duas estações, período no qual ainda presenciamos a manifestação das características da estação presente, mas também já se manifestam as características da estação vindoura. Temos então um signo Mutável, durante o qual a estação "muda", se adapta para o andamento dos ciclos.

Cardeal: Áries, Câncer, Libra e Capricórnio.
Todos estes signos marcam o início de uma estação. Todos se caracterizam pela necessidade de iniciar coisas. São geralmente impulsivos e ativos. Concentram-se no imediato e no momento. Dão mais importância ao movimento do que ao resultado.
Fixo: Touro, Leão, Escorpião e Aquário.
Estes signos marcam o meio das estações. Todos apostam na estabilidade e necessitam de bases sólidas. Têm tendência à permanência, sendo por vezes um pouco inertes. Resistem à mudanças mas, quando se "movimentam" ou transformam, fazem-no com grande intensidade.
Mutável: Gêmeos, Virgem, Sagitário e Peixes.
Este quatro signos surgem no fim das estações. Têm em comum uma forma de estar variável e "instável", como resultado da sua necessidade de adaptação. Mudam constantemente de forma de expressão, oscilando entre o extremamente preciso e o incrivelmente vago.
O Ritmo Cardeal – (ação)

O Ritmo ou Qualidade Cardeal indica ação, atividade, afirmação, assertividade e energia direcionada. A abordagem é lenta e segura: precisa de um tempo para assimilar novos acontecimentos e situações. Também recebem este nome por estarem, na disposição do mapa natal, orientados para os pontos cardeais.
Os signos cardeais são Áries, Câncer, Libra e Capricórnio.
A presença de energia Cardeal num mapa astrológico dá-nos a noção da capacidade de impulso e de iniciativa desse indivíduo. É o motor da energia pessoal. Os processos mentais manifestam-se de forma franca e simples, passando facilmente do plano das idéias ao da ação.
Excesso de Ritmo Cardeal indica atividade, impulsividade, impaciência, dificuldade em respeitar limites, recursos e pessoas. Há uma grande atividade, na qual começam muitos projetos, mas dificilmente acaba algum. Falta de Cardeal sugere falta de iniciativa, dificuldades em agir e pôr as coisas em movimento.
No Áries, signo de Fogo (identidade), a energia Cardeal manifesta-se primariamente na área da individualidade, do ser: é a identidade (Fogo) em ação (Cardeal). A expressão da identidade é direta, franca, aberta e imediata. Quando em desequilíbrio pode também ser demasiado ativa, agressiva, susceptível, incapaz de entender o ponto de vista alheio e de fazer compromissos.
Em Câncer, signo de Água, a atividade Cardeal tem como área de expressão a vida afetiva, as memórias e os sentimentos: é o sentimento (Água) em ação (Cardeal). Manifesta-se nos cuidados maternais nos quais uma ação efetiva é orientada por motivos e necessidades emocionais. Também pode ser notado nas conhecidas flutuações de humor tradicional de câncer.
Em Libra, signo de Ar, o tom Cardeal manifesta-se, sobretudo no nível da comunicação e dos relacionamentos: é o social/intelectual (Ar) em ação (Cardeal). Tendo como motor os relacionamentos (tanto pessoais como sociais), a energia Cardeal pode tornar-se muito ativa no estabelecimento de pontes e vias de comunicação. Aqui a ação é focada no outro, existe uma experimentação e uma intensa prática social
Em Capricórnio, signo de Terra (matéria), o tema Cardeal vai manifestar-se através do que é físico, experienciável, prático, mensurável: é a ação (Cardeal) manifestando-se na matéria (Terra). Há uma necessidade de estruturação, planejamento e atividade estratégica. A ação é voltada para a construção de objetivos materiais


O Ritmo Fixo – (segurança)

O Ritmo ou Qualidade Fixa indica, na natureza, um momento de estabilização e concentração, estabelecendo uma necessidade de segurança e de "saber onde pisa".
Os signos fixos são Touro, Leão, Escorpião e Aquário.
A presença de energia Fixa num mapa astrológico mostra-nos uma forte motivação para a segurança, a defesa e o autocontrole no nível representado pelo elemento correspondente. Existe a tendência para uma certa rigidez e alguma dificuldade em rever os próprios conceitos ou ceder.
Excesso de Ritmo Fixo sugere reações lentas, receosas, defensivas, muito controladoras e fechadas. Há tendência para manter tenazmente os seus pontos de vista, sendo por vezes incapaz de compreender outras idéias e perspectivas. Essa disposição para com a vida pode, muitas vezes, limitar a troca de experiências com o meio. Fazendo uma analogia, é como se uma célula fosse limitada em sua troca osmótica com seu ambiente.
Falta de energia Fixa pode indicar pouca estabilidade, insegurança, medos e, por vezes, em certo grau de descontinuidade nas atividades desenvolvidas por estes indivíduos. Essa descontinuidade pode se dar inclusive na área afetiva: é difícil manter o mesmo nível de interesse e motivação nos relacionamentos.
Touro, signo de Terra (matéria), é fixo ao nível da experiência concreta: sua busca por segurança se dá na vivência do que é palpável, sólido, passível de ser possuído. Aproveita os prazeres da vida mas receia largar o que possui (quer a nível material, quer na área das idéias e dos relacionamentos). Pode tornar-se muito apegado e "avarento".
O Leão, signo de Fogo (identidade), é fixo ao nível da identidade: procura segurança na afirmação da própria identidade buscando a afirmação e o reconhecimento desta através da auto-expressão exuberante, viva, expansiva.
O Escorpião, signo de Água (emocional), é fixo ao nível emocional: procura segurança através de vínculos emocionais profundos e duradouros, para esse signo, as emoções têm um caráter quase concreto. Um estímulo emocional, seja ele prazeroso ou doloroso, fica retido e presente durante muito tempo.
O Aquário, signo de Ar (social/intelectual), é fixo ao nível das idéias: procura segurança em ideologias, vinculação com grupos e a defesa de ideais ou pontos de vista. Tem dificuldade em largar as suas ideias e não se deixa "convencer", para não ser "privado de liberdade e autonomia".
O Ritmo Mutável – (aprendizagem)

O Ritmo ou Qualidade Mutável indica variedade, dispersão, adaptação, experimentação e flexibilidade.
Os signos Mutáveis são os Gêmeos, a Virgem, o Sagitário e os Peixes.
A presença de energia Mutável num mapa astrológico indica vivacidade, curiosidade e poder de síntese. Há uma tendência natural para a adaptação e para a experiência direta: é muito voltada para a aprendizagem.
Excesso de ritmo Mutável pode revelar falta de concentração, desgaste nervoso e dificuldade em levar os projetos até ao fim.
Para os Gêmeos, signo de Ar (social/intelectual), a mutabilidade expressa-se através dos relacionamentos e das trocas intelectuais: é a aprendizagem das idéias e do quotidiano. Relaciona-se com o estabelecimento de "pontes" e de vias de comunicação. É muito curioso e diversificado, mas, ao se deixar levar em demasiado pela variedade, pode tornar-se fútil, instável, superficial e pouco profundo.
Em Virgem, signo de Terra (matéria), a energia Mutável manifesta-se através do que é concreto e palpável: é a apredizagem do trabalho e do serviço. Funciona de forma meticulosa, procurando sempre a exatidão e a correta funcionalidade das coisas através da experimentação prática. O seu desejo de perfeição pode, contudo, ao adiamento constante da conclusão de um projeto.
A qualidade Mutável do Sagitário, signo de Fogo (identidade), se expressa, sobretudo através da busca do aperfeiçoamento da identidade: é a aprendizagem do Ser. Procura identificar-se com algo maior: um sistema de referências social, ético ou religioso. Esta procura, que o leva a horizontes mais vastos, pode também degenerar em dogmatismo, opiniões excessivas e descabidas e arrogância intelectual.
Para os Peixes, signo de Água, a energia Mutável encontra o seu campo de expressão na emotividade: é a aprendizagem do sentir. Há uma enorme sensibilidade, muitas vezes "osmótica" e uma permeabilidade a tudo o que é sentimento e emoção. Esta faculdade pode gerar muita empatia e compaixão mas, em alguns casos, é também fonte de auto-piedade, dispersão e caos emocional.
Para determinar o excesso ou a falta de um ritmo num mapa natal há que ter em conta a distribuição das principais energias desse mapa (Sol, Lua, planetas e o Ascendente) nos signos e também nas casas.

5 comentários: